Das Portal
zur katholischen Geisteswelt


Zum
Inhalts-
verzeichnis
Zum
biographischen Bereich

Impressum

Das katholische Informationsportal kath-info
dient der theologischen Aufklärung
und bietet Ihnen Beiträge zu Themen der katholischen Welt.

Die Beiträge unterliegen in der Regel dem Urheberrecht.

Zum Autorenverzeichnis

Sie befinden sich im englisch- und polnischsprachigen Bereich

Die neuesten Beiträge finden Sie jeweils auf der Startseite

Datenschutzerklärung

Zum philosophischen Bereich
Zum
liturgischen Bereich

Links

Englisch

Abuse
Conscience
Epidemic
FSSP
Illusion?
Jesus Christ
Language of L.
Love
Love & Illusion
Love as Source
Mature Christian
Morality
Walker

O amor como chave para o conhecimento

Por Padre Engelbert Recktenwald

Para as pessoas que levam a sério suas próprias convicções, a noção de Deus marca forçosamente também sua noção do ser humano e sua vivência da espiritualidade. Para os antigos gregos a sabedoria era o ideal elevado, afinal Deus era, para Aristóteles, o Pensamento do pensamento, e a perfeição humana funda-se na teoria, na intuição da verdade. No Islã é o poder, que ocupa a posição-chave dentre as características de Deus. Por isto, não causa nenhum problema ao fiel muçulmano a ideia de difundir sua religião por meio do exercício de poder; enquanto, ao contrário, a experiência de uma inferioridade de poder, por exemplo, como ocorrido nas Cruzadas, provoca uma ofensa, que continua a ter efeito por séculos. A ideia de que Deus, por amor, renuncia ao exercício de Seu poder, despoja-se de si e torna-se um homem, sim, até mesmo uma criança, que, por sua vez, despreza todo prestígio do poder, prefere a manjedoura ao trono e entrega-se a amarga pobreza, um tal pensamento será rejeitado com indignação como incompatível com a dignidade de Alá. E exatamente isto constitui a essência da conceito cristão de Deus: não mais sabedoria e poder, mas sim o amor é a caraterística-chave para compreender Deus e sua ação.

Por meio da encarnação possibilita-nos Deus relacionar-nos com Ele de uma forma nova. A relação adequada para com um Deus de poder é aquela da submissão e da obediência cega. Tão logo o amor assinala a relação, a submissão torna-se amizade e a obediência uma harmonia de atitude, que resulta da intimidade interior e da confiança nos desígnios divinos: "Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz seu senhor. Mas chamei-vos amigos, pois vos dei a conhecer tudo quanto ouvi de meu Pai." (Jo 15,15). A submissão é caracterizada pelo temor, a amizade pelo amor.

Fazer-se de bom diante de um Deus de poder é um ato de esperteza em interesse próprio. O plano de ação moral não é, com isto, ainda adentrado. Conduta moral valorosa só é possível, quando o mero cálculo da inteligência for transposto e o interesse próprio transforma-se, por amor, no interesse pelo bem-estar do amado. Porém, se Deus é absolutamente perfeito e basta-se a si mesmo, parece ser impossível ou, pelo menos, sem sentido o interesse no Seu bem-estar. Justamente esta dificuldade foi remediada por meio da Encarnação divina. Deus colocou-se, desta maneira, numa situação, na qual possa aceitar de nós amor adjuvante e consolador. Isto fica mais visível no caso do relacionamento com Maria, Sua mãe. Contudo, que também nós, na vida espiritual, possamos nos colocar em um papel semelhante, dão a entender as tremendas palavras: "Todo aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe" (Mt. 12, 50)? Por meio de nosso amor nós podemos alegrar o Senhor; „consolá-Lo“ de nossos pecados, que ferem o Seu coração; e „ajudá-Lo“ a salvar almas.

Só é possível não se escandalizar com esta humildade divina, se se admite aquela hierarquização de valores, que advém do reconhecimento do amor como o valor supremo. Assim, habituava-se Santa Terezinha do Menino Jesus a contemplar todas as perfeições de Deus por meio da misericórdia infinita (ou seja, aquela forma de amor, que se dedica ao miserável). Se o poder é o valor supremo, então o amor despojado de si e compassivo aparece como sinal de fraqueza. Reconhece-se, porém, o amor como valor supremo, então nós podemos, sob este aspecto, compreender a misericórdia divina precisamente como revelação máxima de Sua onipotência, assim como está expresso na oração do décimo Domingo depois de Pentecostes: „Deus, qui omnipotentiam tuam parcendo maxime et miserando manifestas…“ („Oh Deus, que manifestais Vosso poder infinito sobretudo pela compaixão que Vos leva a perdoar…“).

Desta maneira, revela-se Deus no mistério do Natal não como um Deus, o qual submete e domina os homens externamente por meio de Seu poder, mas sim que quer ganhar seu coração, internamente, por amor. Sua glória não consiste em propagar medo e pavor, mas sim em difundir a ternura e a beleza do Seu amor até o mais íntimo de nosso coração. Nós não ajoelhamos diante Dele por medo diante de Sua grandeza, mas em gratidão por Seu amor. Nós humilhamo-nos, porque também Ele se humilhou por nós. Assim, o amor revela-se como o único poder, que também atinge os corações. Pelo fato de que Deus se fez pequeno, Seu amor tornou-se poderoso. „Quantas e quão grandes lições vêm da manjedoura em Belém! Oh que amor ardente o coração precisa sentir por Aquele, que por nós se tornou inteiramente frágil e pequeno! Peçamos ao Menino Deus, que nos encha de humildade; pois, graças somente a esta virtude, somos capazes de compreender e desfrutar o mistério da ternura divino e do Seu amor à humanidade“, escreve o Santo Padre Pio. Desta forma ele conduz nossa atenção a um outro fato, filosoficamente relevante: Somente quando nós mesmos temos um coração afetuoso, podemos reconhecer o amor de Deus e entender a encarnação do Verbo como um modo de Sua manifestação. Um coração obcecado pelo poder permanece cego em relação a ele e é capaz de ver na abdicação de poder somente tolice e fraqueza. Isto significa, formulado mais geral, que: o conhecimento do valor antecede o ato livre do reconhecimento, isto é, da admissão do valor em sua exigência e em sua significação e valor intrínseco, aqui muito especialmente do amor como valor máximo.

Muito propagado hoje é um outro ideal de conhecimento, ou seja, aquele das Ciências Exatas. Matemática, Lógica e as Ciências Naturais, até onde seus métodos são matematicamente caracterizados, oferecem conhecimentos consensuais, porque estes baseiam-se na necessidade de pensar. Ninguém discute seriamente a questão se três vezes três, na verdade, talvez seja apenas 8,9. Quanto mais os resultados das ciências distanciarem-se desta necessidade de pensar, maior será o campo de ação para teorias alternativas e mais controversas elas serão. Um conhecimento parece ser mais seguro, quanto mais a liberdade para uma possibilidade de pensamento alternativo nos seja tomada. No campo ético isto é exatamente o contrário. Nenhum poder do mundo pode tirar-nos a liberdade de reconhecer ou não o amor ou, em termos mais gerais, o bem moral como valor supremo. O reconhecimento é um ato livre. Contudo, somente devido a este ato livre o bem moral começa a luzir e a abrir-nos os olhos para a sua beleza, grandeza e dignidade. Nós não seremos forçados por meio do conhecimento ao reconhecimento do bem, mas sim o reconhecimento abre-nos o caminho para um conhecimento, que, em sua profundidade, não era, desta maneira, anteriormente possível. „O coração tem razões, que a razão desconhece“, escreve Blaise Pascal. Esta afirmação é verdadeira, desde que nós não entendamos por coração algo irracional, mas sim aquela parte da razão, que nos põe em contato com o mundo dos valores morais. E este contato pode conduzir a uma compreensão interna dos valores, se nós nos conformarmos à exigência destes; abrirmos nosso coração ao seu apelo. No plano sobrenatural denominamos este apelo por „graça“. À medida em que nós nos abrimos a ela, alcançamos aquilo que Santo Tomás de Aquino designa de conhecimento por afinidade, por conaturalidade: somente quem é bom, pode perceber a bondade; somente o humilde pode compreender o valor da humildade; somente quem ama, pode entender o amor de Deus. E viceversa, o reconhecimento deste amor multiplica, por sua vez, o nosso amor. É o circuito ditoso de uma espiral, que nos conduz cada vez mais profundamente ao mistério divino e nos transforma cada vez mais à imagem daquele, que nós podemos reconhecer no mistério do Natal. Por meio desta transformação, tornamo-nos nós mesmos naqueles, cujo comportamento somente pode ser entendido pelo amor. Isto implica naturalmente, que, do mesmo modo que a ação de Deus na encarnação, nosso comportamento será incompreendido por aqueles que não crêem no amor. O reconhecimento de Deus e o subestimar-se a si próprio andam lado a lado. Porém, o ganho espiritual deste reconhecimento é tão abundante, que até mesmo a subestimação parece ganho, pois nós nos tornaremos assim semelhantes a Cristo e participantes da Sua ventura. Quanto mais nós nos aprofundamos no amor, que reluz no mistério do Natal, mais convictos poderemos dizer como São Paulo: "Na verdade, julgo como perda todas as coisas, em comparação com este bem supremo: o conhecimento de Jesus Cristo, meu Senhor. Por Ele tudo desprezei e tenho em conta de esterco, a fim de ganhar Cristo e estar com Ele“ (Fil. 3, 8-9a).

Zum deutschen Original

Polnisch

Dobro i zło
Miłość / Liebe
Miłość Boża / Liebe
Moralność / Moral
Tolerancji

Portugiesisch

Amor como chave
Amor como fonte


Zu den neuesten Beiträgen